Um Blog de David Ponte. Contacto: dav_russ@clix.pt.

sexta-feira, abril 29


"Tu as la voix différente!"
"Alors?"
"Il lui manque le son de la mer!"
[Prénom Carmen, 1983 - Jean-Luc Godard]

quinta-feira, abril 28

The master, overlaps the reality.

Un jour
Un "corbeau"
Rencontra une "corpsbelle..."

Une femme et un oiseau
Ça n'a jamais rien donné...

Sinon...
L'introduction
D'un chat dans la volière !...

[Jean de La Fontaine]

quarta-feira, abril 27

Porque havemos esconder a nossa fraqueza, atrás de uma máscara de alegria? Despojar os preconceitos e encarar a verdadeira realidade, só evidencia; humildade, coragem e vontade de viver.

[David Ponte]



-Joueurs de cartes, Les - Musée du Louvre, Paris, [Paul Cezanne 1839 - 1906]

Em folhas de acetato me proteges

Em folhas de acetato me proteges
floresço em avenida litoral
breve serei semente um céu e a terra
plantado azul e sopro de marés

as palavras fechadas com o jeito
que a boca tem ao ver-se
retratada
quase um sabor razão acidulada

me persegues de nomes, me retratas
igual ao branco hotel onde regressa
a não lembrada sombra do verão

e pousam de ouro em água o só
engano breve
das rosas e da neve despertadas.


António Franco Alexandre - "A pequena face"

sábado, abril 23

No vazio nocturno do quarto,
um moribundo corpo repousa sobre a cama,
manchada de tristeza.

A alegria jamais abraçará,
aquela triste existência.
O olhar penetrado em loucura,
que reflecte a fraqueza humana,
é permanentemente estimulado
pelo termo da vida.

A morte, chega,
abraça-o suavemente
e delicia o seu corpo...

[David Ponte]

sexta-feira, abril 22

Nos tempos correntes, a divergência de opiniões, é cada vez mais um factor de choque entre jovens, que de verde idade aprendem a defender acerrimamente ideologias que o tempo nos deixou. Qualquer símbolo, frase ou mesmo uma simples palavra, podem influenciar ou construir, o estilo de vida de um adolescente.
Pode parecer difícil uma sociedade viver em harmonia, existindo nela um choque de diversos modos culturais, mas a modernidade projecta-nos para uma realidade impensável nos tempos passados. A “Anarca” pode seduzir o “Neoconservador”, ou o “Neonazi” que "ama" uma “Comunista”!?!
É demasiado estranho, mas é uma realidade bem presente na nossa sociedade. É a prova que o “Amor” apaga realidades e constrói igualdades.

segunda-feira, abril 18



Alfred Brendel, Philharmonia Orchestra, e outros nomes da música, Clássica, Opera, etc... são sem dúvida, um patamar musical muito elevado, a maioria dos Portugueses, nunca atingirá este ponto, Por razões culturais ou desinteresse comum. Como pensarão rentabilizar a casa da música? Estas consecutivas "Lotações Esgotadas", devem-se ao factor novidade, e o depois? Cem Milhões de Euros, (seis vezes o orçamento de estado), não é luxo a mais, para Pedro Abrunhosa, Xutos & Pontapés, e outros?

[David Ponte]

sábado, abril 16



by Ingres, Jean-Auguste-Dominique - (Jupiter and Thetis 1811)

sexta-feira, abril 15

As Gavetas

Não deves abrir as gavetas
fechadas; por alguma razão as trancaram,
e teres descoberto agora
a chave é um acaso que podes ignorar.
Dentro das gavetas sabes o que encontras:
mentiras. Muitas mentiras de papel,
fotografias, objectos.
Dentro das gavetas está a imperfeição
do mundo a inalterável imperfeição,
a mágoa com que repetidamente te desiludes.
As gavetas foram sendo preenchidas
por gente tão fraca como tu
e foram fechadas por alguém mais sábio do que tu.
Há um mês ou um século, não importa.

Pedro Mexia (in «Duplo Império», 1999)

quarta-feira, abril 13

Agora que Marques Mendes chegou à liderança do PSD, o “menino guerreiro”, parece perder unanimidade e consenso, dentro dos laranjas. A única solução de reconciliação, era a vitória de Luís Filipe Menezes em Pombal, tal não aconteceu, mesmo assim fico surpreso como é que tão grande número de votantes, quis continuar, a ver o seu partido nos cuidados intensivos, ignorando o apelo à reconstrução feito, por militantes com grande carisma. O "núcleo duro" de Luís Marques Mendes na direcção do PSD, parece agora, querer cometer um erro, que pode ser fatal na reestruturação. Ao não apoiarem a recandidatura de Pedro Santana Lopes à Câmara Municipal de Lisboa, em Outubro, não estão apenas a desacreditar um homem, mas sim em 43,4% de delegados ao Congresso, e nos, restantes apoiantes de Luís Filipe Menezes, a fracção que apoia Santana Lopes. Não é a altura indicada de separações, a união é importante para a revitalização do partido. A descriminação de uma pessoa, mesmo conhecendo as suas limitações, desenvolve um mau estar, estas guerrilhas internas implicaram maiores dificuldades de reconstrução.
[David Ponte]

Agora sei: nascemos
do mesmo ventre
de espuma.
Agora
sei teu nome
verdadeiro, ó maresia.
*
Pelos teus olhos
vejo, em ti
me vejo, te vejo
em mim.
*
Beber
a pupila breve
e lábil. Soletrar
as sílabas dos lábios.

(in «Três Poemas de Amor seguidos do Livro Quarto»), Albano Martins(1930)

terça-feira, abril 12

João Paulo II, a Igreja e o Sacrifício;

A Igreja suspira a morte do Papa João Paulo II, que já provocava uma certa desarticulação no núcleo eclesiástico. Foi um Papado demasiado longo, carregado de sacrifício público durante os últimos anos. Este martírio final, não há-de fazer-nos esquecer que o papado durou vinte e cinco anos, e não, apenas seis ou sete anos, como parte das pessoas tendem a querer ver. João Paulo II foi mártir do luxo, aquele luxo que a igreja proíbe aos seus seguidores; os talheres de ouro, a biblioteca privada com mais de nove mil exemplares, o cinema, avião e o helicóptero, tudo isto privado, são algumas entre muitas outras regalias impensáveis ao ser comum, e ele teve-as.
Um e outro político, falaram, continuam e continuarão a falar dos feitos heróicos do Papa, entre eles; a barreira intransponível que foi na oposição às guerras mais recentes. Como pode um Papa hoje, apoiar uma guerra? Será de mais pensar nisso!

João Paulo II, pediu desculpas pelos erros da igreja, cometidos no passado. Uma certeza me envolve a alma, apenas, um quarto da população cristã espalhada pelo mundo, sabe quais foram na verdade os erros a que João Paulo II se referia. Hoje, amanhã e durante largos anos continuarão a morrer crentes no mundo, que a sua passagem pela vida, circulou à volta do culto ao clero, aquilo que eles acham de "Bem", nem hoje, nem nunca a igreja teve boas intenções, vasta do regredir no tempo.
Período sangrento da História, apelado ou apoiado pela Igreja;
As Cruzadas representam uma grande movimentação de população da Europa para o Oriente, que provocou uma grave agressão do Ocidente ao Oriente (Palestina), a primeira cruzada terminou com a formação do Reino de Jerusalém que acaba por ter uma vida efémera, as restantes cruzadas é a tentativa de auxilio aos cristãos da Palestina. É o terrível choque do Ocidente com o Oriente.
A 18 de Novembro de 1095, o Papa Urbano II reúne no Concílio de Clermont, principal motivo, o conteúdo de uma carta enviada por, Aleixo I Comneno, Imperador Bizantino, onde ele, apelava à vinda dos cristãos à Terra Santa, para defender a rotas peregrineiras que estavam a ser atacadas pelos Turcos, impossibilitando os peregrinos de chegar à Terra Santa. Hoje discute-se a possibilidade de Urbano II, ter apelado à Cruzada, para apaziguar os problemas internos da igreja e combater a constante instabilidade provocada pelos Turcos às portas de Constantinopla.
O apelo do Papa ultrapassou a expectativas, ele reuniu um enorme exército, que se dividiu em vários corpos armados, partiram a Abril de 1096, comandados espiritualmente pelo Papa. A conquista de Jerusalém foi conseguida depois de um enorme cerco, após o cerco assistiu-se a um massacre de homens, mulheres e crianças inocentes, o pretexto para a sua realização foi o facto de ser o local onde Cristo foi sacrificado e morreu pelos homens e mais tarde ressuscitou, neste lugar mágico, deveria realizar-se o sacrifício dos responsáveis pela morte. Estava iniciado um ciclo sangrento que durou cento e setenta e quatro anos. Segui-se a segunda Cruzada apelada pelo Papa Eugénio III, à qual responde O rei de França Luís VII e o Imperador Conrado III. 1188. Frederico Barba-Roxa, imperador alemão, Filipe Augusto, rei de França, e Ricardo Coração de Leão, rei de Inglaterra, organizam uma Cruzada a pedido do Papa Gregório VIII é a terceira Cruzada. O Papa Inocêncio III proclama a quarta e a quinta cruzada, a quarta é pregada por Foulques de Neuilly e dirigida por Bonifácio I de Montferrat e Balduíno IX de Flandres, a quinta é apelada durante o sermão de abertura do quarto Concílio de Latrão, será dirigida por João de Brienne, rei de Jerusalém e André II, rei da Hungria. O Papa Gregório IX apela à sexta cruzada em Dezembro de 1244. Em Dezembro 1244, Luís IX de França ou São Luís, decide partir em cruzada. Por fim em Março de 1270 e de novo Luís IX ou São Luís, que protagoniza a oitava e última cruzada. foi curta e terminou falhada a 15 ou 16 de Novembro, 1270 após a destruição da frota francesa por uma tempestade.

A Igreja protagonizou uma etapa demasiado sangrenta, um simples pedido de desculpas ou uma simbólica aproximação, são os resultados de um gesto de boa vontade de um homem, não de uma organização, de qualquer das formas é insuficiente. Todo o seu esforço valeu pelo simbolismo, porque não foram apenas estes os crimes da Igreja, a utilização da força braçal dos camponeses durante a idade média, para produzir excedentes e criar o enriquecimento dos mosteiros e das ordens religiosas vigorantes, a Inquisição um marco bem mais recentes na nossa História, entre muitas estas são algumas arrepiantes martirizasses, que a igreja liderou.

Para sempre recordarei, o velhinho que enfrentou a doença e dignamente terminou a sua vida, a realizar a sua profissão.
[David Ponte]

sexta-feira, abril 8


Wim Wenders, 1984

Coisa Amar

Contar-te longamente as perigosas
coisas do mar. Contar-te o amor ardente
e as ilhas que só há no verbo amar.
Contar-te longamente longamente.

Amor ardente. Amor ardente. E mar.
Contar-te longamente as misteriosas
maravilhas do verbo navegar.
E mar. Amar: as coisas perigosas.

Contar-te longamente que já foi
num tempo doce coisa amar. E mar.
Contar-te longamente como doi

desembarcar nas ilhas misteriosas.
Contar-te o mar ardente e o verbo amar.
E longamente as coisas perigosas.

[Manuel Alegre]

quinta-feira, abril 7

Apercebo-me que, ao meu lado corre a morte. Por momentos penso em ignorá-la, mas depressa apercebo-me que ela não pensa da mesma forma que eu. Fortuitamente, ela salta para me engolir, eu consigo escapar-lhe com um golpe de agilidade e rapidez. Inicio uma fuga desenfreada, devoro o asfalto, ela saliva deliciadamente e tenta de novo agarrar-me. O cansaço começa a mastigar rapidamente o meu corpo, sinto-me frágil, à mercê do predador. Instantaneamente algo acontece, a morte desiste de mim. Sinto um enorme alívio, a alegria cobre-me o rosto. Quando já a distância entre mim e a morte é enorme, olho uma última vez para trás. Paro. Esqueço rapidamente o passado, olho em frente e enfrento o futuro. Venci a luta desigual, entre o homem e o destino. Sorrio... Ainda pertenço ao mundo dos vivos.
[David Ponte]


Madam Hessel on the Sofa by Edouard Vuillard (1868-1940)

quarta-feira, abril 6


Rainier Louis Henri Maxence Bertrand de Grimaldi
[1923 - 2005]

"Morre quando queiras ou não queiras
mas deixa tudo em ordem aos que ficam."
[Pedro Mexia]

domingo, abril 3

Fellini's, um génio que dispensa palavras.

Fellini's Satyricon, 1969

O Passado

"O passado é apenas
mais uma rua
onde uma vez passámos."

[Pedro Mexia], "Vida Oculta"